0 0
Empadão de cogumelos (sem batata)

Partilhar nas redes sociais:

Ou pode copiar e partilhar este link

Ingredientes

Ajustar quantidades:
1 cup Millet, lavado e escorrido
2 fatias Abóbora Se possível, utiliza uma abóbora doce. Em alternativa, podes substituir por cenoura, couve-flor ou batata doce.
200 gr Cogumelos marron
½ Couve lombarda Adoro esta couve! Rondinha, enrugada, compacta… Uma delícia! Se for grande, utiliza por exemplo 1⁄4 da couve. A couve portuguesa é uma boa substituição.
2 Cebolas
½ Alho francês
3 Dentes de alho
Azeite, qb
Sumo de ½ limão
1 c sopa Shoyu (molho de soja) Como o shoyu já é salgado (é feito a partir de feijão soja, trigo e sal marinho), tem em atenção a quantidade de sal que utilizas no cozinhado. Quando usado com moderação, o shoyu enriquece o sabor dos alimentos.
4 c sopa Vinho branco Usei vinho do Porto branco.
1 molho Manjericão e coentros
Folha de louro
Maionese sem ovos ou queijo vegan
Sal marinho, qb

Empadão de cogumelos (sem batata)

Características:
  • Sem açúcar refinado
  • Vegan
  • Preparação: 45 min
  • Cozedura: 15 min
  • Total: 60 min
  • 200 C
  • 6 doses
  • Médio

Ingredientes

Descrição

Partilhar

Empadão de millet e abóbora com recheio de cogumelos, um prato que, a meu ver, todos deveriam provar, de tão saboroso e reconfortante que é! Este da foto foi confecionado pela minha irmã Felícia, a minha cozinheira preferida. Basta ela me dizer que me vai fazer o jantar, que as minhas papilas ficam logo em êxtase! Já lhe disse que devia repensar o futuro dela (é de jornalismo), mas ela não me liga. 😆 Estou a brincar, claro, mas que adoro a comida dela, ai isso adoro! Acho que o segredo é mesmo o Amor com que ela cozinha, a paz e a entrega que lhe passam das mãos para o alimento! 💛 Um dia partilho aqui no blogue uma receita inteiramente dela.

Voltando ao empadão… Costumo fazer esta receita com alguma regularidade cá em casa, principalmente no tempo frio, porque: i) toda a gente gosta; ii) é muito versátil e um ótimo limpa-frigoríficos (podemos fazer o recheio com os mais variados legumes, juntar tempeh, tofu, lentilhas…); e iii) é um prato que aconchega (a comida de forno tem esse poder, o de nos aquecer e o millet também, pois é um cereal yang, com uma energia mais contrativa).

Como já deves ter percebido, não utilizei a batata como base do empadão e a razão é a seguinte: desde que me dediquei à macrobiótica que tenho vindo a aprender mais sobre a energia (yin & yang) dos alimentos e o impacto que eles têm em nós. A batata, assim como o tomate, a beringela e o pimento pertencem à famílias das solanáceas*. As solanáceas contêm uma toxina chamada solanina, que pode ter alguns efeitos pouco desejados no nosso organismo (e.g. piorar casos de inflamação/infeção). Daí, eu reduzir o seu consumo a situações especiais, não fazendo parte da minha alimentação diária.

Para um consumo diário, dou preferência aos cereais integrais (nesta receita, o escolhido foi o millet), vegetais – vegetais de rama, vegetais redondos e as raízes -, leguminosas, algas e sementes. Os vegetais de rama (nabiça, agrião, couve galega…) dão-nos frescura e flexibilidade e ativam os nossos pulmões, coração e fígado; os vegetais redondos, que crescem à superfície da terra, beneficiam órgãos como o estômago, baço e pâncreas. São exemplo, a abóbora, o brócolo, a couve-flor e a couve lombarda. Neste empadão, iremos utilizar a abóbora e a lombarda. Quanto aos vegetais de raiz, fornecem-nos vitalidade e melhoram o funcionamento dos órgãos inferiores (intestinos e órgãos reprodutores). No grupo das raízes, podemos incluir a cenoura, o rabanete, o nabo e o rábano. Poderei futuramente aprofundar mais este tema no blogue, se for do teu/vosso interesse. 😊  Aproveito também para referir que a forma como me alimento e vivo a minha vida foi uma escolha que fiz (acredito mesmo nesta filosofia de vida que é a macrobiótica!) e não estou aqui para impor nada a ninguém. Cada um tem o direito de comer aquilo de que gosta, lhe dá energia e lhe faz bem. Como diz o burro do Shrek, não há espiga. 💛 O meu objetivo com estas receitas é o de poder inspirar quem me lê (Muito Obrigada!) e passar a mensagem de que uma alimentação sem carne nem peixe não é desenxabida, nem tão pouco se restringe a um prato cheio de brócolos e couves.

Vamos à receita sem mais demoras?

*o tabaco também é uma solanácea.

Passos

1
Concluído

Começa por cortar a abóbora em cubos, a cebola em meias luas, o alho francês em rodelas e a couve em tiras finas. Lamina os cogumelos e pica o alho.

2
Concluído

Numa frigideira, salteia os cogumelos com uma pitada de sal até ficarem murchos e sequinhos. Não é necessário juntar azeite/água.
O objetivo deste passo é retirar o excesso de água dos cogumelos. Podes passar este passo à frente, mas sinceramente acho que enaltece bastante o sabor do cogumelo.

3
Concluído

Puré de millet:
Num tacho, salteia um dente de alho em azeite durante alguns segundos. Acrescenta a cebola (reserva uma cebola para o recheio) e a abóbora, e continua a saltear por mais 3-4 minutos. Nesta fase, é importante que juntes uma pitada de sal. O sal faz com que os alimentos libertem os seus sucos.

4
Concluído

Acrescenta 3 cups de água (o triplo da quantidade de millet), o millet e a folha de louro.

5
Concluído

Quando começar a ferver, acrescenta mais sal, se necessário, tapa o tacho e reduz a chama. Conta 20/25 minutos.

6
Concluído

Recheio:
Enquanto o puré cozinha, começa a saltear o alho. Acrescenta os cogumelos e continua a saltear.

7
Concluído

Junta a cebola, o alho francês, a couve e uma pitada de sal, e salteia por mais 3-4 minutos.

8
Concluído

Junta o vinho e deixa cozinhar até evaporar.

9
Concluído

Termina com umas gotas de shoyu (atenção que é salgado), o sumo de limão e um molho de coentros grosseiramente picados. Reserva.

10
Concluído

Voltando ao puré:
Junta um punhado de manjericão ao millet já cozido e tritura com a varinha (o puré deve ficar consistente, mas não em demasia, pois ainda irá ao forno; se estiver muito seco, junta um pouco mais de água ou bebida vegetal).

11
Concluído

Agora vamos à parte mais gira: construir as camadas.
Numa travessa de ir ao forno, cobre o fundo com puré de millet, junta de seguida uma camada de recheio e, para finalizar, outra camada de millet, de modo a cobrir toda a travessa.

12
Concluído

É opcional, mas para ficar ainda mais guloso, barra a superfície do empadão com maionese caseira ou junta umas lascas de queijo.

13
Concluído

Leva ao forno pré-aquecido por 15 minutos, ou até tostar.

anterior
Papas de trigo sarraceno e maçã
seguinte
Brigadeiros alternativos
anterior
Papas de trigo sarraceno e maçã
seguinte
Brigadeiros alternativos

Adicionar comentário